Eloqüência disparatada


Abandonou-se

 

Depois de tantas noites brilhar sem mãos abandonou-se à flatulência e numa habitação cerrada à expectativa de raiar transparentes eram os instrumentos que em si se tocavam solitários e fracos.

 

Tatiane Gorska



Escrito por Tatiane Gorska às 16h52
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




O frio

 

O frio, às vezes é só o frio, aquele frio sem retorno, aquele frio fatigado de terminar num lugar muito distante onde tudo se descuida de mim. Ao profundo do meu corpo, ao passo que à noite me dispo para me deitar, ouço todas os sons de um café da desferida via pública. Aqui dentro é a luz que se espraia numa resistência perfeitamente fiel a uma condição isolada e rebelde. Às vezes é só um calafrio. É um sofrimento para dentro como um soluço, como um piano que descansa naqueles cômodos humildes e só com uma janela. À noite, estendo-me então na cama e os meus olhos esquadrinham o branco fechado e amarelecido do teto como um absoluto desconhecido e derradeiro.


Tatiane Gorska



Escrito por Tatiane Gorska às 21h00
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]


[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]


 



Meu perfil
BRASIL, Sudeste, SAO PAULO, VILA SONIA, Mulher, de 26 a 35 anos, Portuguese, French, Livros, Música, Poesia
MSN - tati_russa@hotmail.com
Histórico
Outros sites
  Academia Poçoense de Letras e Artes
  A garganta da serpente
  Incautos do Ontem
Votação
  Dê uma nota para meu blog